domingo, 17 de janeiro de 2016

A arte como registro histórico









A arte como registro histórico



“A arte é uma mentira que nos faz ter consciência da realidade.”



Eventos tão importantes como as duas grandes guerras mundiais afetaram o mundo todo e, consequentemente, a arte. Um dos símbolos das consequências dessas guerras é a obra Guernica, de Pablo Picasso, apresentada ao público pela primeira vez em Paris em 1937.
Durante a Guerra Civil Espanhola, no dia 26 de abril de 1937, a cidade de Guernica, capital da província Basca (comunidade situada no nordeste da Espanha), foi bombardeada pelos nazistas. Pablo Picasso, sensibilizado pelo ocorrido, retratou por meio da pintura as suas impressões sobre o bombardeio.
Pablo Diego José Francisco de Paula (Picasso) nasceu em Málaga no dia 25 de outubro de 1881. Aclamado como um dos artistas mais famosos e talentosos de todo o mundo, criou não somente pinturas, como também esculturas e cerâmicas. Considerado como cofundador do cubismo junto com outro artista, Georges Braque. No dia 8 de abril de 1973, o mundo perdeu esse grande artista.
Pablo Picasso desenvolveu um novo estilo de pintura, denominado de Cubismo. O Cubismo rompeu com a perspectiva dotada pela arte ocidental desde o Renascimento. O movimento surgiu na cidade de Paris, em 1907, com a tela Les Demoiselles d’Avignon, pintada pelo artista espanhol Pablo Picasso.
Guernica é uma pintura monocromática. A monocromia acontece quando se utiliza apenas uma cor em todas as suas possibilidades cromáticas.

PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela


  PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela
PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela, 349,3 cm x 776,6 cm. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri (ES).


Leitura da Obra


Observe os detalhes da obra Guernica que passou a ser símbolo mundial das atrocidades cometidas durante a guerra civil espanhola. De modo incomum, ela faz rememorar o sofrimento vivido pelas pessoas naquele contexto caótico da guerra.
A tela apresenta imagens distorcidas, corpos encurvados e alongados, formas abstratas representando a violência.
O minotauro ou touro , metade homem, metade touro, pode representar a luta entre o homem e a barbárie. Os olhos humanos no animal podem representar a parte humana.

O minotauro ou touro, metade homem, metade touro, pode representar a luta entre o homem e a barbárie.


 O minotauro ou touro, metade homem, metade touro, pode representar a luta entre o homem e a barbárie.
PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela, 349,3 cm x 776,6 cm. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri (ES).


O cavalo com as narinas e os dentes assemelhados a uma caveira humana, pode representar a morte imposta ao povo espanhol pelos ditadores da guerra.

O cavalo com as narinas e os dentes assemelhados a uma caveira humana


O  cavalo com as narinas e os dentes assemelhados a uma caveira humana
PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela, 349,3 cm x 776,6 cm. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri (ES).


A lâmpada, dentro de uma forma que lembra um olho, emite luz sobre o cavalo que parece se debater aflito, sugerindo sofrimento.
Uma mão, supostamente a de uma mulher, segura o que se pode chamar de candeeiro ou vela que ilumina o rosto de uma pessoa voltado para a claridade. O rosto revela expressão diversa à das demais figuras humanas, o que pode levar à sugestão de certa esperança em meio ao caos do desespero.

A lâmpada, dentro de uma forma que lembra um olho, emite luz sobre o cavalo que parece se debater aflito, sugerindo sofrimento.


 A lâmpada, dentro de uma forma que lembra um olho, emite luz sobre o cavalo que parece se debater aflito, sugerindo sofrimento.
PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela, 349,3 cm x 776,6 cm. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri (ES).


Ao centro, na parte clara, uma flor desperta a atenção remetendo à esperança e à vida.

Ao centro, na parte clara, uma flor desperta a atenção remetendo à esperança e à vida.


  Ao centro, na parte clara, uma flor desperta a atenção
PICASSO, Pablo. Guernica. 1937. Óleo sobre tela, 349,3 cm x 776,6 cm. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri (ES).






Outros artistas, ao longo da história, também retrataram célebres batalhas.



GOYA Y LUCIENTES, Francisco de. O três de maio de 1808 em Madri. 1814.


   GOYA Y LUCIENTES, Francisco de. O três de maio de 1808 em Madri. 1814.
GOYA Y LUCIENTES, Francisco de. O três de maio de 1808 em Madri. 1814. Óleo sobre tela, 268 cm x 347 cm. Museo Nacional del Prado, Madri (ES).



DELACROIX, Eugène. 28 de julho: A liberdade guiando o povo. 1830.


  DELACROIX, Eugène. 28 de julho: A liberdade guiando o povo. 1830.
DELACROIX, Eugène. 28 de julho: A liberdade guiando o povo. 1830. Óleo sobre tela, 260 cm x 325 cm. Musée du Louvre, Paris (FR).



Glossário


Cubismo: movimento artístico que rompeu com a representação da harmonia clássica das figuras. Em uma atitude de decomposição, os objetos passaram a ser representados com todas as partes num mesmo plano.
Candeeiro: utensílio de formatos variados que, contendo líquido combustível é provido de mecha torcida (pavio de algodão) e se destina a iluminar.
Monocromático: que é pintado de uma só cor.






Links


Sanderlei Silveira

Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

História e Geografia

Educação

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis - Esaú e Jacó

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Augusto dos Anjos - Vandalismo

Os símbolos do estado e do município (SP)

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

TOTVS - Datasul - Progress - EMS2

sábado, 16 de janeiro de 2016

Assalto - Carlos Drummond de Andrade



Assalto - Carlos Drummond de Andrade






Assalto - Carlos Drummond de Andrade



Na feira, a gorda senhora protestou a altos brados contra o preço do chuchu:
– Isto é um assalto!
Houve um rebuliço. Os que estavam perto fugiram. Alguém, correndo, foi chamar o guarda. Um minuto depois, a rua inteira, atravancada, mas provida de admirável serviço de comunicação espontânea, sabia que se estava perpetrando um assalto ao banco. Mas que banco? Havia banco naquela rua? Evidente que sim, pois do contrário como poderia ser assaltado?
– Um assalto! Um assalto! – a senhora continuava a exclamar, e quem não tinha escutado escutou, multiplicando a notícia. Aquela voz subindo do mar de barracas e legumes era como a própria sirena policial, documentando, por seu uivo, a ocorrência grave, que fatalmente se estaria consumando ali, na claridade do dia, sem que ninguém pudesse evitá-la.
Moleques de carrinho corriam em todas as direções, atropelando-se uns aos outros. Queriam salvar as mercadorias que transportavam. Não era o instinto de propriedade que os impelia. Sentiam-se responsáveis pelo transporte. E no atropelo da fuga, pacotes rasgavam-se, melancias rolavam, tomates esborrachavam-se no asfalto. Se a fruta cai no chão, já não é de ninguém; é de qualquer um, inclusive do transportador. Em ocasiões de assalto, quem é que vai reclamar da penca de bananas meio amassadas?
– Olha o assalto! Tem um assalto ali adiante!
O ônibus na rua transversal parou para assuntar. Passageiros ergueram-se, puseram o nariz para fora. Não se via nada. O motorista desceu, desceu o trocador, um passageiro advertiu:
– No que você vai a fim de ver o assalto, eles assaltam sua caixa.
Ele nem escutou. Então os passageiros também acharam de bom alvitre abandonar o veículo, na ânsia de saber, que vem movendo o homem, desde a idade da pedra até a idade do módulo lunar.
Outros ônibus pararam, a rua entupiu.
Melhor. Todas as ruas estão bloqueadas. Assim eles não podem dar no pé.
– É uma mulher que chefia o bando.
– Já sei. A tal dondoca loura.
– A loura assalta em São Paulo. Aqui é a morena.
– Uma gorda. Está de metralhadora. Eu vi.
– Minha Nossa Senhora, o mundo está virado!
– Vai ver que está caçando é marido.
– Não brinca numa hora dessas. Olha aí sangue escorrendo!
– Sangue nada, tomate.
Na confusão, circularam notícias diversas. O assalto fora a uma joalheria, as vitrinas tinham sido esmigalhadas a bala. E havia joias pelo chão, braceletes, relógios. O que os bandidos não levaram, na pressa, era agora objeto de saque popular. Morreram no mínimo duas pessoas, e três estavam gravemente feridas.
Barracas derrubadas assinalavam o ímpeto da convulsão coletiva. Era preciso abrir caminho a todo custo. No rumo do assalto, para ver, e no rumo contrário, para escapar. Os grupos divergentes chocavam-se, e às vezes trocavam de direção: quem fugia dava marcha à ré, quem queria espiar era arrastado pela massa oposta. Os edifícios de apartamentos tinham fechado suas portas, logo que o primeiro foi invadido por pessoas que pretendiam, ao mesmo tempo, salvar o pelo e contemplar lá de cima. Janelas e balcões apinhados de moradores, que gritavam:
– Pega! Pega! Correu pra lá!
– Olha ela ali!
– Eles entraram na Kombi ali adiante!
– É um mascarado! Não, são dois mascarados!
Ouviu-se nitidamente o pipocar de uma metralhadora, a pequena distância. Foi um deitar-no-chão geral, e como não havia espaço, uns caíam por cima de outros. Cessou o ruído. Voltou. Que assalto era esse, dilatado no tempo, repetido, confuso?
– Olha o diabo daquele escurinho tocando matraca! E a gente com dor de barriga, pensando que era metralhadora!
Caíram em cima do garoto, que soverteu na multidão. A senhora gorda apareceu, muito vermelha, protestando sempre:
– É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto!

É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto!


 É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto!
É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto!



Caricatura de Carlos Drummond de Andrade


 Caricatura de Carlos Drummond de Andrade
Caricatura de Carlos Drummond de Andrade




Glossário


Alvitre: opinião, parecer, conselho.
Matraca: peça de madeira com uma plaqueta ou argola que se agita barulhentamente em torno de um eixo.
Soverteu: neste caso, virar sorvete, desaparecer, sumir.






Dicas de Gramática



Dica 13 – Uso de “HAJA VISTA” ou “HAJA VISTO”

HAJA VISTA é a única expressão correta, pois neste contexto a palavra “vista” é invariável. Mas o verbo “haver” admite concordância com o substantivo a que se refere.
  • Ex 1: “Haja vista o ocorrido, não irei trabalhar”
  • Ex 2: “Hajam vista os acontecimentos, não irei trabalhar”
Dica: como a expressão “Haja Visto” não existe, deve-se dar a preferência ao uso da forma invariável HAJA VISTA.


Dica 14 – Uso de “MAIS” , “MAS” ou “MÁS”

MAIS é utilizado tanto como advérbio de intensidade – “Eu sou mais bonito que você” – como pronome indefinido – “Eu quero mais amor”.
MAS é uma conjunção adversativa e indica oposição, como no exemplo: “Eu saí, mas não cheguei lá”
MÁS é um adjetivo, e utilizado como antônimo de “boas”: “As más ações levam você para o inferno”.






Links


Sanderlei Silveira

Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

História e Geografia

Educação

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis - Esaú e Jacó

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Augusto dos Anjos - Vandalismo

Os símbolos do estado e do município (SP)

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

TOTVS - Datasul - Progress - EMS2

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

O mapa da violência no Brasil






O mapa da violência no Brasil



Não existe uma definição consensual ou incontroversa de violência. O termo é potente demais para que isso seja possível.


O que é violência? Segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, violência é a “ação ou efeito de violentar, de empregar força física (contra alguém ou algo) ou intimidação moral contra (alguém); ato violento, crueldade, força”. No aspecto jurídico, o mesmo dicionário define o termo como o “constrangimento físico ou moral exercido sobre alguém, para obrigá-lo a submeter-se à vontade de outrem; coação”.
Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) define violência como “a imposição de um grau significativo de dor e sofrimento evitáveis”. Mas os especialistas afirmam que o conceito é muito mais amplo e ambíguo do que essa mera constatação de que a violência é a imposição de dor, a agressão cometida por uma pessoa contra outra; mesmo porque a dor é um conceito muito difícil de ser definido. Para todos os efeitos, guerra, fome, tortura, assassinato, preconceito, a violência se manifesta de várias maneiras.
Na comunidade internacional de direitos humanos, a violência é compreendida como todas as violações dos direitos civis (vida, propriedade, liberdade de ir e vir, de consciência e de culto); políticos (direito a votar e a ser votado, ter participação política); sociais (habitação, saúde, educação, segurança); econômicos (emprego e salário) e culturais (direito de manter e manifestar sua própria cultura). As formas de violência, tipificadas como violação da lei penal, por exemplo, assassinato, sequestros, roubos e outros tipos de crime contra a pessoa ou contra o patrimônio, formam um conjunto que se convencionou chamar de violência urbana, porque se manifesta principalmente no espaço das grandes cidades. Não é possível deixar de lado, contudo, as diferentes formas de violência existentes no campo.
A violência urbana, no entanto, não compreende apenas os crimes, mas todo o efeito que provoca sobre as pessoas e as regras de convívio na cidade. A violência urbana interfere no tecido social, prejudica a qualidade das relações sociais, corrói a qualidade de vida das pessoas. Assim, os crimes estão relacionados com as contravenções e com as incivilidades. Gangues urbanas, pichações, depredação do espaço público, o trânsito caótico, as praças malcuidadas, sujeira em período eleitoral compõem o quadro da perda da qualidade de vida. Certamente, o tráfico de drogas, talvez a ramificação mais visível do crime organizado, acentua esse quadro, sobretudo nas grandes e problemáticas periferias.
Hoje, no Brasil, a violência, que antes estava presente nas grandes cidades, espalha-se para cidades menores, à medida que o crime organizado procura novos espaços. Além das dificuldades das instituições de segurança pública em conter o processo de interiorização da violência, a degradação urbana contribui decisivamente para ele, já que a pobreza, a desigualdade social, o baixo acesso popular à justiça não são mais problemas exclusivos das grandes metrópoles. Na última década, a violência tem estado presente em nosso dia a dia, no noticiário e em conversas com amigos. Todos conhecem alguém que sofreu algum tipo de violência. Há diferenças na visão das causas e de como superá-las, mas a maioria dos especialistas no assunto afirma que a violência urbana é algo evitável, desde que políticas de segurança pública e social sejam colocadas em ação. É preciso atuar de maneira eficaz tanto em suas causas primárias quanto em seus efeitos. É preciso aliar políticas sociais que reduzam a vulnerabilidade dos moradores das periferias, sobretudo dos jovens, à repressão ao crime organizado. Uma tarefa que não é só do Poder Público, mas de toda a sociedade civil.

Vivemos em um mundo onde a violência é praticada à luz do dia.


Vivemos em um mundo onde a violência é praticada à luz do dia.
Vivemos em um mundo onde a violência é praticada à luz do dia. Vandalismo, crime contra patrimônio público e privado.


Pichação, violência contra o patrimônio privado e público.


Pichação, violência contra o patrimônio privado e público.
Pichação, violência contra o patrimônio privado e público.





Munição do crime


A corporação policial arca com as principais críticas a cada divulgação dos índices de violência ou de crimes de comoção pública. Sequestros e chacinas suscitam revolta, decerto justa, mas também avaliações apressadas do problema — em geral, pede-se mais, ou quase apenas, repressão policial.
Mas é óbvio que somente a deficiência da polícia não explica os recordes de criminalidade. A ação policial cresceu de fato no Brasil. Aumentaram os números de prisões em flagrante e de apreensão de armas. Mas as estatísticas oficiais registraram a elevação das taxas de homicídios, furtos e roubos.
A aparente contradição foi discutida em documento do comando da PM, que comparou a ação da polícia com a de quem intenta enxugar o chão com a torneira aberta. A PM estaria, pois, refém da crise social.
Certa relação entre desemprego e o aumento do número de roubos foi constatada em estudo da ONU com base em indicadores brasileiros a partir dos anos 1980. A Delegacia de Investigação sobre Narcóticos de São Paulo indicou a imbricação entre mais desemprego e narcotráfico. Há ainda uma relação entre a geo­grafia da riqueza e a ocorrência de certos crimes. Em algumas regiões da cidade de São Paulo, os assaltos com sequestros de curta duração apresentaram aumento de pelo menos 13 vezes em relação ao registrado há três anos. Em outras, são comuns homicídios por pequenos acertos de contas com o tráfico.
O mais grave é que esse quadro desolador pode piorar. O aumento do desemprego coloca população e governo em situação delicada. Será difícil que o aumento da oferta de segurança pública possa acompanhar no mesmo passo o provável incremento do crime. Não parece haver também, no curto prazo, condições para adoção de uma política de inclusão social que contenha a delinquência. O desafio será criar novas opções de ação, ainda que apenas paliativas.


Olha a bala!


 Olha a bala!
Olha a bala!





O mapa da violência no Brasil



O resultado de um levantamento do Instituto Sangari, em parceria com o Sistema de Informações de Mortalidade da Saúde, revelou um novo Mapa da Violência no Brasil. Por meio desta pesquisa, foi observado que em 1980 foram oficialmente registrados 13.910 homicídios no Brasil, já em 2010 esse número passou para 49.932, um aumento de 259%. equivalente a cerca de 4,4% de crescimento ao ano.
Em 2014 o Brasil quebrou um triste recorde: teve o maior número de pessoas mortas em um ano, segundo dados divulgados no Mapa da Violência 2014. Ao todo, foram 56.337 mortes, o maior número desde 1980.
É o dado mais atualizado de violência pelo Brasil e tem como base o Sistema de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, que registra as ocorrências desde 1980.
Veja o ranking dos 15 municípios com mais de 10.000 habitantes que registraram um maior número de casos de homicídio no Brasil.

O mapa da violência no Brasil


 O mapa da violência no Brasil
O mapa da violência no Brasil




Glossário


Imbricação: neste caso, superposição.
Paliativo: que ou o que tem a qualidade de acalmar, de abrandar temporariamente um mal.






Dicas de Gramática



Dica 11 – Uso de “DENTRE” ou “ENTRE”

ENTRE é utilizado nos casos em que o verbo não exige a preposição de, como no exemplo:
  • “Entre as pessoas desta sala, tenho mais chance.”

DENTRE já tem o uso mais limitado. Significa “no meio de” e é fruto da união das preposições de + entre. Mas para que esta união ocorra, o verbo precisa exigir a preposição de. Veja exemplos:
  • “Ele ressurgiu dentre as pessoas” – quem ressurge, ressurge de algum lugar. Neste caso, de onde? De entre as pessoas, ou do meio das pessoas.
  • “Os músicos saíram dentre as primeiras filas” – quem sai, sai de algum lugar. De onde? Do meio das primeiras filas


Dica 12 – Uso de “ESTE” ou “AQUELE”

Os pronomes demonstrativos ESTE, ESSE e AQUELE precisam de um pouco de atenção no seu uso, cujas diferenças recorrem ao espaço em relação às três pessoas do discurso, o tempo verbal e a proximidade com os termos da oração.

- Pronome ESTE
Espaço: Indica o que está próximo da pessoa que fala – “Esta proposta é excelente!”
Tempo: atual – “Esta semana ligarei para você.”
Proximidade com Termos: refere-se ao termo mais próximo – “Joana e Angélica estiveram aqui. Esta (Angélica) é mais inteligente.”

- Pronome ESSE
Espaço: indica o que está próximo da pessoa com quem se fala – “Essedesafio vai mexer com você!”
Tempo: passado próximo – “Casei em 2006. Nesse ano meu filho nasceu.”
Proximidade com Termos: refere-se à idéia mais mencionada – “Leia o Minha Gestão. Esse site é fantástico.”

- Pronome AQUELE
Espaço: indica o que mais distante da pessoa que fala e da pessoa com quem se fala – “Aquela proposta que perdeu era muito ruim!”
Tempo: passado distante – “Os carros daquela época eram muito melhores.”
Proximidade com Termos: refere-se ao termo mais distante – “Me formei em duas faculdades, medicina e direito. Aquela (medicina) foi muito mais difícil.”
Dica: o pronome este também pode indicar uma idéia que ainda vamos mencionar, como no exemplo: “Vamos debater este assunto: ganhar dinheiro.”







Links


Sanderlei Silveira

Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

História e Geografia

Educação

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis - Esaú e Jacó

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Augusto dos Anjos - Vandalismo

Os símbolos do estado e do município (SP)

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

TOTVS - Datasul - Progress - EMS2

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

A cidade vertical







A cidade vertical


Edifícios de até 4 quilômetros de altura onde podem viver e trabalhar até 1 milhão de pessoas — sonhando com projetos assim os japoneses se preparam para enfrentar o problema da superlotação.



Ainda não existe uma palavra para descrever as construções que algumas empresas começam a desenhar para o futuro. Que nome dar a um prédio com apartamentos para centenas de milhares de pessoas? E que ainda tem espaços para centrais elétricas, fazendas, hospitais e escolas, parques, estádios, piscinas, escritórios e lojas? São megaedifícios, ou cidades verticais, cujos “bairros”, ou blocos, são interligados por quilométricos corredores de aço e vidro. Nessas colmeias humanas, uma pessoa pode passar a vida inteira, sem nunca mudar de endereço. Mas, se quiser sair, em vez do metrô pode tomar um silencioso dirigível e descer direto para a cidade – isto é, a cidade convencional, no nível do solo, 2 ou 3 quilômetros abaixo.
Um delírio arquitetônico como este só podia mesmo nascer na cabeça dos japoneses. O Japão é tão pequeno que cada pessoa tem apenas 3 metros quadrados para viver. São 125 milhões de habitantes espremidos em apenas 380000 quilômetros quadrados – área 36% menor que o estado de Minas Gerais. A situação nas cidades é ainda mais apertada porque elas concentram 77% da população total do país. Assim, mesmo que jamais se tornem realidade, esses mirabolantes voos de imaginação têm o seu lado útil: podem servir de modelo para projetos menos grandiosos, porém mais viáveis. Por exemplo, para edifícios com 300 metros de altura.

Tão alta... E nunca para de crescer


Ela tem mais de 2 000 metros de altura e pode ganhar, quase de um dia para o outro, mais 100 ou 200 andares. Chegaram novos moradores? Nenhuma dificuldade. Basta acrescentar os blocos necessários na estrutura existente. Exatamente como as cidades crescem com o aumento da população. A construção por módulos também pode ser útil como proteção contra incêndios.
No projeto do edifício Try 2004, os blocos são encaixados em formas de pirâmide. A distância entre eles impede que o fogo se espalhe por toda a torre. Isso dá tempo para que chegue socorro das unidades vizinhas – seja pelas passarelas existentes nos tubos horizontais, seja por helicóptero.
No Try 2004 poderiam morar até 1 milhão de pessoas em 240000 apartamentos. Além do setor residencial, haveria uma área equivalente a 2 400 quarteirões reservada a escritórios. O custo da obra chegaria aos 760 bilhões de dólares.


Gráfico comparativo dos arranha-céus

 Gráfico comparativo dos arranha-céus
Gráfico comparativo dos arranha-céus


Montanha de aço flutuante


Ao imaginar prédios de altura recorde, os engenheiros japoneses recorreram a muita criatividade. Por exemplo: como fazer fundações que aguentem os milhões de toneladas de peso das enormes estruturas?
Pelo sistema convencional de construção, a solução seria “plantar” as fundações a muitos quilômetros de profundidade no solo. Mas no X-Seed 4000, por exemplo, a saída foi transferir o projeto da terra firme para a água e transformar a montanha de aço numa ilha flutuante.
O prédio seria então instalado sobre imensas “caixas” que funcionariam como boias. Dispostas uma ao lado da outra, abaixo da superfície do mar, elas constituiriam o alicerce do gigantesco X-Seed 4000. O superedifício mede 4 quilômetros de altura e tem 6,5 quilômetros de diâmetro na base. Pode servir de moradia para nada menos que 700 000 pessoas – quase toda a população de Fortaleza, no Ceará – e levaria nada menos que trinta anos para ficar pronto.


Jardins suspensos do futuro


O X-Seed tem 4 000 metros de altura e capacidade para 700 000 pessoas. Cada pilar das bordas do edifício contém uma cidade completa, com casas, jardins e escolas. Os apartamentos chegam a até 2 000 metros de altura. Acima disso, ficam uma central elétrica e várias estações panorâmicas. Os pilares internos são reservados às áreas comerciais.


O “voo” do elevador precisa ter escalas


O Aerópolis tem 2 000 metros de altura, apartamentos para 140 000 pessoas e escritórios para outras 300 000. O projeto prevê elevadores movidos a propulsão magnética. Tão rápidos que teriam de levar em conta a pressão do ar, que diminui conforme a altitude.
Para evitar mudanças bruscas de pressão – e o mal-estar dos passageiros – as cabines deverão fazer paradas a cada 160 metros.


Balança, balança, mas não cai


Um dos desafios que os engenheiros japoneses enfrentaram nos novos projetos foram os terremotos, muito comuns no Japão. A preocupação era manter inteiras estruturas de centenas ou milhares de metros de altura num país em que o chão pode tremer a qualquer momento. O DIB 200, com 800 metros de altura, por exemplo, tem a sua maneira de resistir aos abalos. É o próprio “balança-mas-não-cai”, no bom sentido. Foi projetado para se “mexer” de acordo com os movimentos do solo e, desse modo, continuar em pé.
O sistema antissísmico é controlado por programas de computador. Os 200 andares do prédio são ocupados por 320 apartamentos residenciais, 800000 metros quadrados de escritórios, mais um hotel com 2 500 quartos e três heliportos.


Dançando conforme o terremoto


O DIB (sigla em inglês para Edifício Dinâmico Inteligente) tem 200 andares ao longo de 800 metros de altura.
Dotado de um revolucionário sistema antissísmico, o prédio é composto de doze módulos que, em caso de abalo, mudam ligeiramente de posição. É o mesmo princípio empregado pelo passageiro de ônibus, que mantém o equilíbrio com o balanço do corpo.
Esses movimentos são articulados por enormes vigas que interligam as partes do prédio.
Depois de muita imaginação, vamos a realidade, hoje o Burj Khalifa Bin Zayid, em Dubai (Emirados Árabes) é atualmente a mais alta estrutura feita pelo homem no mundo até o ano de 2015.

Burj Khalifa Bin Zayid, em Dubai (Emirados Árabes): 828 metros e 192 andares (Mais alto do Mundo - 2015)

  Burj Khalifa Bin Zayid, em Dubai (Emirados Árabes): 828 metros e 192 andares (Mais alto do Mundo - 2015)
Megaedifícios abrigam milhares de pessoas e se constituem em alternativas para enfrentar o problema da superlotação.

Burj Khalifa Bin Zayid, - É um arranha-céu em Dubai, Emirados Árabes Unidos, e é atualmente a mais alta estrutura feita pelo homem no mundo, com 829,84 m (2723 pés) a construção começou em 21 de setembro de 2004, e inaugurado oficialmente em 04 de janeiro de 2010. É tão alto que tem um elevador que chega a 64km/h, o mais rápido do mundo. Nesses 163 andares, tudo é motivo para recorde, a casa noturna mais alta do mundo, mesquita mais alta do mundo, restaurante, observatório, etc.








Dicas de Gramática


Dica 1 – Uso de “A” ou “HÁ”.
  • O HÁ indica tempo que já passou, como no exemplo: “Eu parei de fumar há algum tempo”.
  • O A indica o tempo que ainda vai passar, como no exemplo: “Daqui a alguns anos, eu morrerei”.

Dica 2 – Uso de “A CERCA DE”“HÁ CERCA DE” ou “ACERCA DE”
  • A CERCA DE indica distância, como na frase “Trabalho a cerca de 10 quilômetros da minha casa”;
  • HÁ CERCA DE indica tempo aproximado, como no exemplo “Te conheço há cerca de 20 anos”
  • ACERCA DE é o mesmo que A RESPEITO DE, como no exemplo “Na reunião falamos acerca de seu desempenho”.




Glossário


Diâmetro: num conjunto de pontos, o supremo das distâncias entre dois pontos (Matemática); em uma circunferência, é qualquer corda que passa pelo centro (Geometria).
Abalo: ato ou efeito de abalar; tremor, oscilação; perturbação, desordem; choque, comoção.
Viga: peça de estrutura de um edifício destinada à sustentação dos outros elementos da construção.







Links


Sanderlei Silveira

Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

História e Geografia

Educação

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis - Esaú e Jacó

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Augusto dos Anjos - Vandalismo

Os símbolos do estado e do município (SP)

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

TOTVS - Datasul - Progress - EMS2

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

As fronteiras do Universo



As fronteiras do Universo









Desvendar o Universo é um sonho que, apesar das tecnologias desenvolvidas pelo homem, ainda está distante.



Em 21 de dezembro de 1968, Frank Borman, Jim Lovell e Bill Anders foram os protagonistas de um show inusitado. A missão Apollo 8 durou sete dias e seis noites e foi a primeira a levar o homem à órbita da Lua. Os Estados Unidos davam um passo à frente da União Soviética. Os tripulantes, porém, não conseguiram pousar na Lua. A nave apresentou defeitos graves, enfrentou um choque com um meteorito e uma tempestade solar. Mesmo assim, a operação foi considerada um sucesso: os três conseguiram retornar aos Estados Unidos e o sentimento geral era de que o homem estava pronto para receber o futuro.
Diretores da Nasa anunciaram para o ano de 1969 mais cinco missões Apollo. A de número 9 foi um importante teste de equipamentos e a missão 10 avançou um pouco, mas também não chegou a atingir o solo lunar. No dia 20 de julho de 1969, no entanto, Neil Armstrong, da Apollo 11, tornou-se o primeiro homem a pisar na Lua. A novidade foi comunicada pela TV e pelo rádio a cerca de 1,2 bilhão de pessoas. A tripulação contou com mais dois homens: Edwin “Buzz” Aldrin e Michael Collins. Armstrong proferiu uma das mais famosas frases da história: "Este é um pequeno passo para um homem, mas um salto gigantesco para a humanidade".
A bandeira dos Estados Unidos foi hasteada e a ela Armstrong e Aldrin prestaram continência. Em solo lunar foi deixada uma placa com a mensagem: "Aqui os homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua. Julho de 1969 d.C. Viemos em paz, em nome de toda a humanidade". Na bagagem, os astronautas trouxeram 37 quilos de pedras, que foram analisadas em laboratórios. A ideia era descobrir por meio dessas rochas os segredos do sistema solar e de todo o mundo.
Quatro dias depois dos primeiros passos na Lua, os três voltaram a Terra e ficaram isolados durantes muitos dias. A hipótese de que poderiam sofrer algum tipo de contaminação foi logo descartada. De acordo com os astronautas mais importantes do mundo, a chegada do homem até a Lua representava a nova era da vida na Terra. Os soviéticos saudaram os americanos, mas não se livraram do amargo gosto da derrota.
A missão Apollo 12 esteve na Lua em novembro de 1969 e foi responsável por investigar crateras. Os tripulantes voltaram a Terra com muitas fotografias e material coletado no solo da Lua. No início de 1970 foi a vez da aventura por meio da Apollo 13. A missão foi conturbada em função de vários problemas com a nave durante a viagem de ida. Os astronautas James Lovell, Fred Haise e John Swigert reagiram ao inusitado de forma serena, não demonstraram medo, tomaram as providências emergenciais com precisão e conseguiram voltar com vida.
Alguns anos após a primeira viagem até a Lua, imaginava-se que a colonização de outros planetas viria logo em seguida. O Projeto Apollo durou duas décadas e foram investidos mais de 40 bilhões de dólares por parte dos Estados Unidos. O valor da conquista simbólica é inegável e lucrou-se muito com a aplicação da tecnologia espacial em outros setores industriais. Em ganhos práticos ainda falta muito.

“Este é um pequeno passo para um homem, mas um salto gigantesco para a humanidade.”



Uma das marcas deixadas em solo lunar pelas botas do astronauta Aldrin na missão Apollo 11 em 20 de julho de 1969


 Uma das marcas deixadas em solo lunar pelas botas do astronauta Aldrin na missão Apollo 11 em 20 de julho de 1969
Uma das marcas deixadas em solo lunar pelas botas do astronauta Aldrin na missão Apollo 11 em 20 de julho de 1969



Astronautas da missão Apollo 11


 Astronautas da missão Apollo 11
Astronautas da missão Apollo 11, da esquerda para direita, Neil A. Armstrong, comandante; Michael Collins, piloto do módulo de comando; e Edwin E. Aldrin (Buzz), piloto do módulo lunar.



Apollo 12, a segunda missão lunar de pouso


 Apollo 12, a segunda missão lunar de pouso
Apollo 12, a segunda missão lunar de pouso





A fronteira do Universo


Muitos artistas encontram seus motivos no universo. Universo que guarda inúmeros mistérios, que conseguimos enxergar aqui da terra e que vive em nossos sonhos, emoções, fantasias, ...
O artista representa o Universo do tamanho de seu mundo e nós o vemos do tamanho do nosso mundo.

A fronteira do Universo


 A fronteira do Universo
ZEMEK, Carlos. A fronteira do Universo. s.d. Óleo sobre tela, 50 x 40 cm. Acervo do autor.





Astronave - Helena Kolody



Soberbo monumento da astronáutica
num pedestal de cifras.
Bezerro de ouro,
cosmonave!
Milhares de famintos
baixaram ao vale da morte,
para que pudesses subir.

KOLODY, Helena. Sinfonia da vida. Curitiba: Posigraf, 1997.





Decolagem do Ônibus Espacial Atlantis em sua última missão


 Decolagem do Ônibus Espacial Atlantis em sua última missão
Decolagem do Ônibus Espacial Atlantis em sua última missão




Glossário


Soberbo: arrogante, orgulhoso.
Pedestal: aquilo que serve para elevar, para colocar em evidência.






Dicas de Gramática



Dica 15 – Uso de “MAU” ou “MAL”

MAU é o oposto de “bom”, como no exemplo: “Eu sou mau. Vou para o inferno”
MAL é o oposto de “bem”, como no exemplo: “Ele fala muito mal”


Dica 16 – Uso de “POR” ou “PÔR”

POR é preposição: “Por favor, reze por mim”
PÔR é verbo, o mesmo que “colocar”: “Vou pôr o livro sobre a estante”





Links


Sanderlei Silveira

Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

História e Geografia

Educação

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis - Esaú e Jacó

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Augusto dos Anjos - Vandalismo

Os símbolos do estado e do município (SP)

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

TOTVS - Datasul - Progress - EMS2

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Top 10 - Prédios mais altos do mundo





Top 10 - Prédios mais altos do mundo (Atualizado até 11/2015)





O Burj Khalifa Bin Zayid (em árabe “Torre de Khalifa”) anteriormente conhecido como Burj Dubai, é um arranha-céu localizado em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, sendo a maior estrutura e, consequentemente, o maior arranha-céu construído pelo homem, com 828 metros de altura em formato de agulha e com 192 andares. Sua construção começou em setembro de 2004 e foi inaugurado em janeiro de 2010. Foi rebatizado devido ao empréstimo feito por Khalifa bin Zayed Al Nahyan, xeique do emirado de Abu Dhabi, depois que emprestou US$ 10 bilhões para a sua conclusão.
A seguir, a lista dos dez edifícios mais altos do planeta (esses prédios são tão altos que fazem jus ao nome “arranha-céus”.


1° – Burj Khalifa – 828 m


Burj Khalifa Bin Zayid (em árabe: برج خليفة; "Torre do Khalifa"), é um arranha-céu em Dubai, Emirados Árabes Unidos, e é atualmente a mais alta estrutura feita pelo homem no mundo, com 828 m (2723 pés) a construção começou em 21 de setembro de 2004, e inaugurado oficialmente em 04 de janeiro de 2010. É tão alto que tem um elevador que chega a 64km/h, o mais rápido do mundo. Nesses 163 andares, tudo é motivo para recorde, a casa noturna mais alta do mundo, mesquita mais alta do mundo, restaurante, observatório, etc.

1° – Burj Khalifa – 828 m

 1° – Burj Khalifa – 828 m
1° – Burj Khalifa – 828 m


2° – Shanghai Tower – 632 m


A Shanghai Tower (em chinês: 上海 中心 大厦), ou Torre de Xangai, em tradução para o português, é um arranha-céus em fase final de construção, localizado no distrito financeiro de Pudong, em Xangai, na República Popular da China. Com previsão de inauguração para 2015, o edifício conta com cerca de 632 metros (ou 2073 pés) de altura, divididos em 128 andares, ocupando uma área de cerca de 380.000 m2 (ft 4.090.000 m²). Em 3 de agosto de 2014, a construção atingiu o ultimo piso e a altura programada. É o edifício mais alto da China, e o segundo mais alto do mundo, superado apenas pelo Burj Khalifa em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

2° – Shanghai Tower – 632 m

2° – Shanghai Tower – 632 m
2° – Shanghai Tower – 632 m


3° – Abraj Al-Bait Towers – 601 m


A Abraj Al Bait-Torres, também conhecida como a Torre do Relógio Meca Royal Hotel, é um complexo de edifícios em Meca, na Arábia Saudita. O complexo detém vários recordes mundiais, incluindo o hotel mais alto do mundo, a mais alta torre do relógio do mundo, o maior relógio do mundo. A torre do complexo do hotel tornou-se o segundo edifício mais alto do mundo em 2011, superado apenas pelo Burj Dubai Khalifa.
Abraj Al Bait Towers é um dos prédios mais altos do mundo, com 601 m de altura. Todas as sete torres do complexo estão agrupadas em um único edifício, e a sua área de construção é uma das maiores do mundo, com 1 500 000 m².

3° – Abraj Al-Bait Towers – 601 m

3° – Abraj Al-Bait Towers – 601 m
3° – Abraj Al-Bait Towers – 601 m


4° – One World Trade Center – 541 m


One World Trade Center, mais conhecido simplesmente como WTC 1 e anteriormente conhecido como Freedom Tower (em português: Torre da Liberdade), é o edifício principal do novo complexo do World Trade Center em Lower Manhattan, em Nova York, Estados Unidos. A torre fica localizada no lado noroeste do local do World Trade Center e ocupa o local onde o antigo 6 World Trade Center já esteve localizado.

4° – One World Trade Center – 541 m

4° – One World Trade Center – 541 m
4° – One World Trade Center – 541 m


5° – Taipei 101 – 509 m


O Taipei 101, (em Chinês simplificado:台北101) é um arranha-céu de 101 andares, localizado em Taipei, Taiwan. O edifício, projetado por C. Y. Lee e construído por KTRT Joint Venture foi o arranha-céu mais alto mundo superando as Petronas Towers, na Malásia, em 2003, e sendo superado pelo Burj Khalifa, nos Emirados Árabes Unidos, em 2010 e pelas Abraj Al Bait Towers na Arábia Saudita em 2011. O Taipei 101 recebeu o prêmio Emporis Skyscraper em 2004. Foi considerado uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo Moderno e uma das Sete Maravilhas de Engenharia.
Taipei 101 dispõe de 101 andares acima do solo e 5 pisos subterrâneos. O edifício foi arquitetonicamente criado como um símbolo da evolução da tecnologia e tradição asiática. Sua abordagem pós-modernista ao estilo, incorpora elementos de design tradicionais e dá-lhe tratamentos modernos. A torre em Taiwan foi projetada para resistir a tufões e terremotos. Um shopping multi-nível adjacente à torre abriga centenas de lojas elegantes, restaurantes e clubes.

5° – Taipei 101 – 509 m

 5° –  Taipei 101 – 509 m
5° – Taipei 101 – 509 m


6° – Shanghai World Financial Center – 492 m


O Shanghai World Financial Center (Chinês simplificado: 上海环球金融中心) é um gigantesco arranha-céu edificado na cidade de Xangai, na China.
É um edifício de uso misto, composto por escritórios, hotéis, salas de conferências, decks de observação, e centros comerciais no piso térreo do shopping. Park Hyatt Shanghai hotel é dos melhores hoteis, contendo 174 quartos e suites. Ocupando a 79 dos 101 andares, é o segundo hotel mais alto do mundo.

6° – Shanghai World Financial Center – 492 m

 6° – Shanghai World Financial Center – 492 m
6° – Shanghai World Financial Center – 492 m


7° – International Commerce Centre – 484 m


International Commerce Centre (Chinês tradicional:環球貿易廣場), esse centro internacional de comercio fica em Hong Kong, inaugurado em 2010, possui 118 andares com hotel, escritórios, praça de alimentação, e um observatório.

7° – International Commerce Centre – 484 m

 7° – International Commerce Centre – 484 m
7° – International Commerce Centre – 484 m


8° e 9° – Petronas Towers (Twin Towers) – 452 m


Petronas são um dos mais famosos arranha-céus e torres gêmeas em Kuala Lumpur, na Malásia. Segundo a definição oficial do ranking da CTBUHe , eles eram os edifícios mais altos do mundo entre 1998-2004 até ser ultrapassado pelo Taipei 101, mas continuam a ser os mais altos edifícios gêmeos já construído no mundo, superando o antigo World Trade Center.

8° e 9°– Petronas Towers (Twin Towers) – 452 m

  8° e 9° – Petronas Towers (Twin Towers) – 452 m
8° e 9° – Petronas Towers (Twin Towers) – 452 m




10° – Nanjing Greenland Financial Center – 450 m


O edifício de 89 andares dispõe de espaço de lojas de varejo, escritório na parte inferior, e restaurantes, um hotel, e um observatório público perto do topo.

10° – Nanjing Greenland Financial Center – 450 m

 10° – Nanjing Greenland Financial Center – 450 m
10°– Nanjing Greenland Financial Center – 450 m





Outros edifícios famosos



11° – Willis Tower – 442 m


A Willis Tower, anteriormente conhecida como Sears Tower, é um arranha-céu localizado em Chicago, nos Estados Unidos, sendo o mais alto edifício da América do Norte de 1974, quando foi inaugurado, até 2014 quando o One World Trade Center em Nova York foi concluido. Ultrapassou as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, que 1 ano antes já havia superado o Empire State Building, também em Nova York, como o mais alto edifício do mundo.
A Willis Tower foi o edifício mais alto nos Estados Unidos por muitos anos. O arranha-céu é um dos destinos turísticos mais populares em Chicago, e mais de um milhão de pessoas visitam a sua plataforma de observação a cada ano.

11° – Willis Tower – 442 m

 11° – Willis Tower – 442 m
11° – Willis Tower – 442 m




12° – Kingkey 100 – 442 m


KK100 (chinês: 京基100), anteriormente conhecido como Kingkey 100 é um arranha-céu em Shenzhen
O terceiro maior prédio da China tem 98 andares. Só o hotel ocupa 75 andares e os demais são escritórios comerciais e um restaurante luxuoso.

12° – Kingkey 100 – 441,8 m

 12° – Kingkey 100 – 442 m
12° – Kingkey 100 – 441,8 m




13° – Guangzhou West Tower – 440 m


Esta é a maior torre da província de Guangzhou, que tem 8 arranha céus entre as 250 maiores do mundo. Esse foi construído em 2010 e possui 103 andares. É somente a 4° mais alto da China.

13° – Guangzhou West Tower – 440 m

 13° – Guangzhou West Tower – 440 m
13° – Guangzhou West Tower – 440 m




16° – Jin Mao Tower - 421 m


Jin Mao Tower é um arranha-céu, com 421 metros (1,380ft). Edificado na cidade de Xangai, China, foi concluído em 1998 com 88 andares. Perdeu o título de mais alto de Xangai em 2007, quando a estrutura de 493 metros do Shanghai World Financial Center foi concluída.

16° – Jin Mao Tower - 421 m

16° –  Jin Mao Tower - 421 m
16° – Jin Mao Tower - 421 m




24° – Empire State Building - 381 m


O Empire State Building é um arranha-céu de 102 andares de estilo Art déco localizado na intersecção da 5ª Avenida com a West 34th Street na cidade de Nova York. Seu nome deriva do apelido do estado de Nova Iorque. Foi considerada uma das estruturas mais altas do mundo por mais de quarenta anos, desde a sua conclusão em 1931 até que a construção da Torre Norte do World Trade Center que foi concluída em 1972. Ele possui 365 mil toneladas e 73 elevadores. As luzes mudam de acordo com o dia e datas comemorativas.

24° – Empire State Building - 381 m

 24° – Empire State Building - 381 m
24° – Empire State Building - 381 m




1° (Brasil) – Millennium Palace - Balneário Camboriú - 177,3 m


O Millennium Palace é o edifício mais alto do Brasil, com 177,3 metros de altura e 52 andares. Localizado no número 2.960 da Avenida Atlântica, na área central da praia de Balneário Camboriú, em Santa Catarina e inaugurado em 9 de agosto de 2014, o Millennium Palace superou o Mirante do Vale, edifício de São Paulo com 170 metros de altura, que foi por quarenta e oito anos o mais alto do Brasil. Foi erguido pela Construtora FG e tem quase o dobro da altura dos prédios vizinhos.

1° (Brasil) – Millennium Palace - Balneário Camboriú - 177,3 m

 1° (Brasil) – Millennium Palace - Balneário Camboriú - 177,3 m
1° (Brasil) – Millennium Palace - Balneário Camboriú - 177,3 m










Dicas de Gramática


Dica 3 – Uso de AO ENCONTRO DE ou DE ENCONTRO A.

AO ENCONTRO DE é utilizado em uma situação favorável, como na frase
  • “Sua oferta vai ao encontro de minhas expectativas. Aceito!”

DE ENCONTRO A indica uma situação de oposição, como no exemplo
  • “Seus interesses vão de encontro aos meus. Não dá certo!”


Dica 4 – Uso de “AFIM” ou “A FIM”

AFIM é um adjetivo que passa a idéia de igualdade, semelhança, afinidade. Exemplo:
  • “Somos amigos pois temos idéias afins”

A FIM é o mesmo que “para”, e indica finalidade. Exemplo:
  • “Saí na balada a fim de diversão”










Links


Sanderlei Silveira

Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

História e Geografia

Educação

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis - Esaú e Jacó

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Augusto dos Anjos - Vandalismo

Os símbolos do estado e do município (SP)